sábado, 4 de maio de 2013

“Ó céus! Ó vida! Ó azar!" Desenho Lippy & Hardy

Um dos desenhos mais clássicos da Hanna Barbera. Os personagens principais são o leão Lippy e a hiena Hardy. Lippy sempre bolava planos mirabolantes para os dois se darem bem, mas Hardy, com todo o seu pessimismo, nunca acreditava que teriam sucesso. Nessas horas que ele dizia a famosa frase: "Ó céus! Ó vida! Ó azar! Isto não vai dar certo!”

Lippy e Hardy dois estilos cognitivos de perceber a realidade, Lippy é o estilo otimista a abertura a aprendizagem, mesmo diante da frustração. A busca de oportunidades, a valorização do processo mais que um resultado pronto e acabado. Hardy o estilo depressivo, os pensamentos negativos, a visão dicotômica de tudo ou nada, 8 ou 80. A persistente impotência em lidar com a vida. Diante das mais diversas situações da vida você escolhe o estilo Lippy ou Hardy?

Vamos aproveitar a deixa do Hardy para falar um pouco sobre depressão. A depressão é real, apresenta causas reais e exige suporte efetivo: Terapia Cognitiva Comportamental e dependendo da severidade do quadro, a prescrição de antidepressivos por um psiquiatra. A pessoa deprimida desenvolve um olhar negativo diante dos fatos.  Assumir uma atitude de buscar tratamento é fundamental para superar o isolamento e a baixa estima. A culpa, a ansiedade, a irritabilidade e a perda de motivação são esperadas na depressão. Funções cognitivas como: memória, atenção e organização do pensamento também são afetadas. Podem ocorrer pensamentos suicidas.

A depressão não é falha de caráter ou preguiça, é adoecimento do humor.

A depressão caracteriza-se por uma baixa reatividade frente o ambiente, diminuição da capacidade de sentir prazer, alegria e entusiasmo. Sentimentos de desprezo por si mesmo, se culpa exageradamente por pequenas falhas, podendo sentir-se responsável por tudo que acontece de errado ao seu redor. Diminuição da confiança em si mesmo produzindo um sentimento de insuficiência e incapacidade. Estado de vulnerabilidade, choro muito constante, ansiedade muito persistente.

 Beck, 1979  postula a ideia de que a depressão tem como causa primária as cognições distorcidas:

    a) indivíduo se vê como inadequado, incapaz e fracassado, e atribui às experiências desagradáveis responsabilidade pessoal.
    b) interpreta de forma negativista, é como se o mundo estivesse pedindo muito dele ou apresentando obstáculos insuperáveis.
    c) visão negativista do futuro, antecipa dificuldades e o sofrimento parece que permanecerá indefinido.

    Esquemas são padrões cognitivos estáveis, que são ativados em certas circunstâncias para categorizar e avaliar as experiências. A pessoa tem a impressão que suas representaçõe  da realidade (distorcidas) são verdadeiras.
 O que fazer?  
1-Perceber os pensamentos negativos – evitar  a generalização (acreditar que algo negativo que tenha ocorrido uma vez irá sempre ocorrer) – evitar a desqualificação das experiências positivas (cuidado em selecionar e valorizar SÓ aspectos negativos). Busque rever as distorções de pensamento, analise-as em bases racionais.
2-Não se culpar - depressão é adoecimento do humor; não é falha de caráter ou preguiça

3-Compreenda a importância do diagnóstico e tratamento - os resultados são muito positivos com tratamento psicológico, através da Terapia Cognitiva-Comportamental e em casos acentuados associando-se com acompanhamento psiquiátrico.  

4-Automonitoramento e auto-avaliação: perceber a relação entre o o pensar e o sentir (SEMPRE).

5-Reestruturando Cognitivamente (revisão de crenças disfuncionais e construção de novas crenças).

6-Compreender o tema percepção, a atribuição de significados; bem como a construção sócio-cultural de seus significados e crenças.

7- Registro de pensamentos disfuncionais. (RPD) Seu terapeuta vai lhe entregar como tarefa.

8-Estabelecer o funcionamento sistêmico da depressão: crenças – gatilho - pensamentos automáticos  - confirmação das crenças – produção de alterações fisiológicas, comportamentais, cognitivas e emocionais.

9-Análise da Narrativa (Refletir nas estórias sobre: si mesmo, situações de vida, pessoas --> procurar estabelecer padrão de pensamento repetitivo nas diversas narrativas)

10- Uso correto dos medicamentos, caso seja necessário.  

Muitas destas estratégias serão treinadas durante o processo psicoterapêutico. Em alguns meses, os sintomas da depressão diminuem até desaparecerem.

Para finalizar, matar as saudades e até conhecer os estilos de Lippy e Hardy, segue um pedacinho do desenho deles: 
video




Um comentário: